"É um arremedo de reforma política", diz Anísio Maia sobre texto sancionado por Temer

Imagem de Destaque do post
  • Reduzir Fonte
  • Aumentar Fonte
  • Imprimir

Na última sexta-feira, 6, o presidente Michel Temer sancionou com vetos os projetos de reforma política aprovados pelo Congresso Nacional. Nesta terça-feira, 10, o deputado estadual Anísio Maia (PT), comentou na Assembleia Legislativa, as mudanças de regras que já entram em vigor nas próximas eleições: "O presidente golpista vetou uma das poucas coisas positivas desta pretensa reforma, o limite em dez salários mínimos para doação de pessoas físicas".

O parlamentar destacou a importância de se evitar a influência do poder econômico nas disputas políticas no país: "Não há corruptos sem corruptores. As grandes doações de campanha terminam sendo investimentos e que esperam retorno. Mas, o que esperar de um presidente rejeitado por 97% do povo e que foi imposto às custas de muita grana? Claro, favorecer a ação do dinheiro na política".

Com as novas regras aprovadas, pessoas físicas podem contribuir com até 10% de seus rendimentos. Anísio Maia acrescentou: "Isto pode ser pouco para os rendimentos de um trabalhador. Mas, considerando as doações de um milionário, fará muito diferença. Vale o jogo da grana, esta é mais uma contribuição do golpista para enfraquecer a democracia." E disse ainda: "Diminuíram o guia eleitoral no segundo turno de vinte para dez minutos, com cinco minutos para cada candidato. É o medo do debate. E a quem interessa uma eleição sem confronto de ideias? Apenas aos mais ricos com campanhas milionárias."

Para concluir o deputado afirmou: "O tempo mínimo para domicílio eleitoral será de apenas seis meses. Isto é algo deplorável na política, candidatos sem vinculação com a localidade. É a oficialização dos candidatos turistas. E o mesmo vale para os partidos, que poderão ser formados às vésperas das eleições. Concluíram a reforma iniciada por Eduardo Cunha. Este Congresso Nacional e este presidente não têm possibilidade de representar o povo brasileiro. O que foi sancionado é um arremedo de reforma política para beneficiar com já está lá ou quem tem muita grana". 

Comentar

By submitting this form, you accept the Mollom privacy policy.